Quando as coisas não saem como eu gostaria que fosse fico frustrado, indignado e com raiva, agindo como criança, tendo chiliques ou birras.
Saber perder e se conformar quando não temos mais o que fazer é a base para maturidade emocional em nossas relações. Isso significa saber lidar com lutos, processar perdas e aceitar que o mundo não gira ao nosso redor.
Notamos a deficiência em nosso desenvolvimento ao longo da vida quando deparamos com a incapacidade de admitir “que não podemos” certas coisas, que pessoas são diferentes entre si e estabelecer relações exige adentrar num mundo novo.
Alguns pais se equivocam na tentativa de ajudar seus “picorruchos” na solução de seus problemas e acabam inibindo a oportunidade que a criança tem de aprender com sentimentos nada agradáveis, mas que são importantes em nossa vida toda.
Deixem que as crianças exponham suas ideias, sua opiniões, principalmente em assuntos que elas mesmas estarão envolvidas, não significa deixá-la comandar, mas participar do processo. Deixem que ajudem a cozinhar, ajudar na limpeza da casa, prepara seu pão, são nas pequenas atividades dentro de casa que podemos começar a educar um verdadeiro ser para a sociedade.
Somos o que somos a partir do outro, estabelecer relações é hoje o mais rico e importante vinculo que precisamos para solução de problemas. Estamos todos tão distantes e virtualmente conectados que criamos a sensação de proximidade, um forma de ilusão cibernética que nos mantém relações à distância.
Nunca foi tão importante lidarmos com a diferença, respeitar o outro, saber viver em sociedade, já que estamos juntos aqui e agora.
Experimentando momentos positivos e negativos que a vida irá nos apresentar, aprendendo a lidar com as adversidades, vivenciando as frustrações teremos a oportunidade de nos (re)construír como indivíduo e de nos tornar maduros para iniciarmos o processo de mudança.

Por isso repito, eduquem seus filhos sendo um suporte de recurso, ou seja, alguém que eles confiam que podem contar nas dificuldades, que podem revelar seus medos, dividir suas dúvidas.
Quando adultos provavelmente terão condições de estabelecer relações maduras positivas, onde terão capacidade de decodificar o que o parceiro(a) fala, pensa ou sente.
Atente para seu comportamento hoje em dia e em suas relações. Preste atenção se você procura manter controle sobre o outro, se usa de chantagem emocional para conseguir o que deseja; isso estará mostrando que você sequer tem amor pelo outro e sim orgulho e necessidade de ganhar, sede de poder.
Vamos amadurecer, se preparar para ter boas relações sabendo lidar com nossos fantasmas, nossas sombras, encarando o medo, enfrentando a dúvida e acreditando na superação de si mesmo.
Psicólogo Rafael Garcia Oliveira

CRP 07/16242