Como posso saber se a minha autoestima é boa?

Tanto se fala de autoestima, mas será que existe alguma forma de medi-la ou avaliá-la? O conceito é bastante subjetivo, mas a resposta é sim, existem algumas maneiras de compreender como está o nível de autoestima. A principal forma é conhecer os sintomas e sinais, para também entender como melhorar a sua autopercepção e valorização.

Vou citar o modelo da Escala de Autoestima de Rosemberg, (Rosenberg Self-Esteem Scale – RSES; Rosenberg, 1986; Corcoran & Fischer, 2000) que foi desenvolvida, originalmente em inglês por Morris Rosenberg, em 1965, como uma escala de avaliação da autoestima global.

Rosemberg considera que “a autoestima é a autoavaliação pessoal, a qual implica sentimento de valor, englobando um componente predominantemente afetivo, expresso em uma atitude de aprovação/desaprovação em relação a si mesmo”. Partindo desta concepção, a escala de autoestima é constituída por 10 questões com conteúdos referentes aos sentimentos de respeito e de aceitação de si mesmo.

O uso de escalas e testes na clínica psicológica é bastante rico, são instrumentos padronizados que nos permitem levantar dados para hipóteses diagnóstica, assim como comparar o paciente com a população em geral e também possibilitam um registro do momento atual para que seja revisto no futuro.

Outro benefício é que as próprias informações das escalas oferecem boas reflexões que podem ser discutidas entre terapeuta e cliente. É comum que as pessoas que tem baixa autoestima nunca tenham parado para refletir sobre si mesmas, sobre as suas preferencias na vida e sobre o seu valor.

Mas independente do uso de instrumentos, em psicoterapia, é possível perceber e pontuar para o paciente quando percebemos que a autoestima não está bem. Alguns sinais costumam ser:

  • Pessoas que não se acham boas o suficiente para realizar algo;
  • Pessoas que precisam sempre da validação de outro para saber que realizaram algo bom;
  • Pessoas que precisam sempre da opinião dos outros antes de tomar uma decisão;
  • Pessoas que não sabem dizer não e acabam fazendo sempre o que é melhor para o outro em detrimento do que é bom para si mesmo;
  • Pessoas que se criticam constantemente;
  • Pessoas que tem dificuldade em receber elogios.

Muitas vezes a percepção negativa sobre si mesmo está relacionada a crenças, que são mensagens recebidas ao longo da vida. Os relacionamentos e experiencias de vida são uma bagagem individual que servem de base para a maneira que iremos encarar nossa jornada. O impacto destas vivências pode ser positivo ou negativo.

Pessoas com problemas em sua autoestima, geralmente viveram experiências negativas neste contexto, em um ambiente onde era constante: repressões, criticas, reprovações ou até mesmo a ausência de contatos, abandonos, violência, relações frias e distantes. As mensagens internalizadas são de desvalor, incapacidade e desamor.

A autoestima se relaciona com a autoconfiança e com a autoaceitação. Quando estes conceitos não estão bem estabelecidos, é comum que a própria pessoa não se aceite, se critique e se veja como alguém que não merece coisas boas.

Esta visão negativa reflete nos outros, de forma que as pessoas com quem convive também não a valorize. Um ciclo vicioso se inicia, pois, as relações refletem todo esse negativismo e de certa forma “confirmam a desvalorização”. Quebrar este processo não é fácil, mas é possível, e a ajuda profissional pode fazer grande diferença.

Após a identificação destes e/ou outros sinais, é hora de definir um plano de ação para melhorar a percepção e a valorização de si mesmo. Um mergulho de autoconhecimento acompanhado de gentileza e autocuidado são alguns dos passos importantes.

A psicologia positiva é uma aliada neste processo, pois possui ferramentas de grande valia no processo de se conhecer e atingir o bem-estar. Ao nos conhecermos e reconhecermos o nosso valor, nos sentimos autoconfiantes, é mais fácil alcançar satisfação com a vida e felicidade. Além de ser uma forma de autocuidado que traz consciência das emoções, pensamentos e atitudes.

Que tal tirar um tempo e refletir sobre a sua autoestima? Se precisar de ajuda, procure um psicoterapeuta positivo 😉

Referência:

Corcoran, K., & Fischer, J. (2000), Measures for clinical practice: A sourcebook (3rd ed., Vol. 1). New York: The Free Press. Rosenberg, M. (1986). Conceiving the Self. Malabar, FL: Krieger Publishing.

Juliana Camila do Nascimento Ferreira

Psicóloga Clínica - CRP 06/89876

Coach, Mentora de Coaches, Formadora nas áreas de Coaching, Psicologia, Desenvolvimento Infantil e Neurociências. Atua em consultório próprio realizando atendimento a crianças, adolescentes e adultos sob a Abordagem Psicoterapia Cognitivo Comportamental. Apaixonada pela Psicologia Positiva, com formações no tema, incluindo PP Specialization Project com Martin Seligman.

  • julianacnferreira@gmail.com

Gostou?! Ajude-nos a compartilhar...

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print

Leia também...

Faça seu comentário

WhatsApp chat